Resenha: Como Eu Era Antes de Você (filme)

Resenha: Como Eu Era Antes de Você (filme) Filmes
por

Um pitada bem generosa de comédia, algumas cenas cortadas, um roteiro mais leve que o do livro e dois protagonistas perfeitos para seus papeis. Esse é o resumo de “Como Eu Era Antes de Você”, de Jojo Moyes, em sua verão cinematográfica.

O filme, que teve seu roteiro escrito pela própria Jojo, chegou aos cinemas brasileiros na última quinta-feira (16), e eu, que estava ansiosa há tempos, fui assistir no primeiro dia e vou contar o que achei.

Mas, antes, para você que não leu ou ainda não assistiu, a história é a seguinte:

“Aos 26 anos, Louisa Clark não tem muitas ambições. Ela mora com os pais, a irmã mãe solteira, o sobrinho pequeno e um avô que precisa de cuidados constantes desde que sofreu um derrame. Trabalha como garçonete num café, um emprego que não paga muito, mas ajuda nas despesas, e namora Patrick, um triatleta que não parece interessado nela. Não que ela se importe. Quando o café fecha as portas, Lou é obrigada a procurar outro emprego. Sem muitas qualificações, consegue trabalho como cuidadora de um tetraplégico. Will Traynor, de 35 anos, é inteligente, rico e mal-humorado. Preso a uma cadeira de rodas depois de um acidente de moto, o antes ativo e esportivo Will desconta toda a sua amargura em quem estiver por perto. Tudo parece pequeno e sem graça para ele, que sabe exatamente como dar um fim a esse sentimento. O que Will não sabe é que Lou está prestes a trazer cor à sua vida. E nenhum dos dois desconfia de que irá mudar para sempre a história um do outro.”

A verdade é que na versão para o cinema, Jojo decidiu focar puramente no romance entre Lou (Emilia Clarke) e Will (Sam Claflin), sem deixar alguns aspectos retratados no livro sobre a vida individual de cada um interferir na história.

Exemplificando o que estou dizendo, no livro, ambos personagens têm fases, marcas ou histórias que abalaram suas personalidades. Will tem um pai adúltero, que aproveita as saídas a trabalho da esposa para manter um caso fora do casamento, e o filho é o único que sabe (até Lou descobrir!); já Lou tem uma mancha no passado que a fez remoldar toda a sua forma de lidar com a vida: ela foi abusada por rapazes em um labirinto que existe no castelo da cidade quando era adolescente.

As duas cenas, tanto a de Lou descobrindo sobre o pai de Will, quanto dela falando sobre o estúpro que sofreu, foram tiradas do filme. A primeira, não acho que tenha feito tanta diferença, mas a cena do labirinto tinha que existir. Poxa, Jojo, ela é uma das partes mais tocantes, que mais nos fazem entender a essência de Lou e um dos pontos-chave da conexão entre ela e Will.

Acho também que a rispidez com que Will a trata no livro foi amenizada para as telas de cinema. Eu lembro de ler cada página e odiar bastante ele no começo. Mas, no filme, ele se transforma numa espécie de sarcástico engraçado, que, sim, a faz sofrer, mas não por muito tempo e com a mesma intensidade.

Depois de dizer tudo isso, parece que essa resenha se transformou em uma crítica. Mas, na verdade, eu adorei o filme! Concluí que Jojo Moyes decidiu deixá-lo mais leve do que o livro propositalmente. Ela quis que a gente voltasse todas as nossas atenções para a interação entre Will e Lou e, tenho que ressaltar, com Emilia Clarke e Sam Claflin nos papéis principais, essa tarefa não foi nem um pouco difícil! Os dois caíram como luvas para seus personagens: Emilia tem muitas expressões exageradas e isso só deixou Lou ainda mais divertida e engraçada do que ela já era; Sam é perfeito para o tom sarcástico de Will, além de ter um sorriso tão incrível que te faz amar ainda mais o personagem. Dá vontade de ler de novo só para imaginar os dois em seus papéis durante a leitura.

como eu era antes de você

Um outro ponto – nem positivo, nem negativo, só um ponto que senti diferença entre as duas versões – é que o filme é muito mais engraçado que o livro e talvez isso se deva ao tom que cada ator deu ao seu personagem, mas o livro é muito mais emocionante do que o filme, e isso pode ser por conta da quantidade de detalhes que vêm acompanhando a história.

Mas, não pense que por esta minha percepção aí de cima você não precisa carregar um lencinho para o cinema. A história continua sendo muito emocionante e o choro é certo. No fim de tudo, tanto livro quanto filme, trazem uma lição muito grande de respeito por quem a gente ama e da importância do livre arbítrio na nossa vida.

Com isso, é bem fácil definir uma sessão de cinema com “Como Eu Era Antes de Você”: os primeiros 2/3 do filme são de muitas risadas (muitas mesmo!); o restante, é de muita gente fungando e limpando lágrimas (muita mesmo!).

Não deveria ser diferente, afinal, o filme traz uma velha fórmula de romance que na grande maioria das vezes não decepciona os espectadores. A diferença é que Jojo deu uma roupagem mais atual e contemporânea pra história. Mas, eu diria que se encantar por Will e Lou juntos é tão fácil quanto foi se apaixonar por Noah e Ally (Diário de uma Paixão), por Gus e Hazel (A Culpa é das Estrelas), por Patrick e Kat (10 Coisas que Eu Odeio em Você), por Jack e Rose (Titanic) e por Gerry e Holly (P.S. Eu Te Amo).

Ou seja, vale a pena! <3

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *