Com desfile de hits no setlist, Maroon 5 faz show incrível em SP

Com desfile de hits no setlist, Maroon 5 faz show incrível em SP Música
por

Não era 21h29 nem 21h31 quando o Maroon 5 tomou o palco do Allianz Parque na noite da última quinta-feira (17), para fazer seu primeiro show em São Paulo. A banda entrou entoando “Animals” pontualmente às 21h30, como havia sido marcado.

Eu, particularmente, apesar de adorar Maroon 5, sou mais fã do Adam Levine em si do que da banda como um todo (quem assiste The Voice USA vai me entender!). O cara é engraçado, simpático e cheio de carisma, por isso eu quase entrei em pânico quando, depois de ver ele passar seis músicas sem trocar uma palavra com o público, achei que ia me decepcionar. Mas Adam estava só esquentando o gogó da plateia. Logo após a “Wake Up Call”, ele comprimentou o público, se apresentou e disse o quanto era bom ver todo mundo lá. Depois disso, foi ostentação de carisma pelo resto da noite e eu já pude ficar despreocupada.

O show seguiu com uma sequência de hits que não tinha como botar defeito: “Love Sombody”, “Maps”, “This Love”, “Sunday Morning”, “Payphone” (a minha preferida!) e “Daylight”.

Depois veio a pausa para o bis, que teve uma setlist arrebatadora com “Lost Star”, “She will be loved”, “Moves Like Jagger” e “Sugar”, que fez o cantor tirar a camiseta e pegar sua guitarra rosa. Nesse momento, tudo passou a ser sobre o quanto ele, e só ele, poderia ter mesmo o título de homem mais sexy do mundo.

Foto: Reprodução/Hugo Gloss
Foto: Reprodução/Hugo Gloss

Durante o show inteiro, acompanhado pela incrível presença de palco do guitarrista James Valantine, Adam dançou, correu pelo palco, fez gestos fofos que levou a plateia aos berros, fez muitas interações vocais e pediu que todo mundo o acompanhasse na cantoria… Mais de uma vez o cantor disse “Por favor, cantem essa próxima música, nós amamos quando vocês cantam com a gente”. E, apesar de não poder negar que nas faixas do álbum Songs About Jane o público se fez presente, na minha opinião, ele foi o ponto mais baixo do show.

Não sei se o motivo foi pela apresentação ser em uma quinta-feira ou se, como disse uma amiga minha, a maioria só estava lá mesmo pra cantar “Sugar”, que também levantou as vozes alguns tons acima, mas que o público foi o mais desanimado que eu já vi, isso foi (e olha que já fui em muito show nessa vida). A culpa não foi da banda; afinal, ninguém pode dizer que eles estavam sem energia e sem interação suficiente com a plateia. A entrega foi real e incrível, mas não foi recíproca. E pelo que pude notar, essa não foi uma impressão só minha.

O público simplesmente perdeu duas oportunidades sensacionais no show, a de cantar parabéns em coro (e não só na pista premium) quando Adam disse que no dia seguinte seria aniversário dele (pessoas do show de sábado, pfvr, façam isso, nunca pedi nada pra vocês), e a de gritar Maroon 5 para que a banda voltasse no bis. Ao invés disso o público preferiu tentar um “hei, Dilma, vai tomar no c*”; como se ninguém mais no país conseguisse aproveitar um momento único de diversão e não se importasse com o quanto isso é desrespeitoso com a banda.

Eles saíram do palco, mais uma vez, pontualmente às 23h. E eu fui embora com a sensação de que o Maroon 5 deu show no sentido mais artístico da palavra e Adam mostrou o quanto é sensacional! ❤️

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *